MUTUÁRIO ‘COMEMORA’ OBRA PARADA

Cerca de cem compradores de imóveis que tiveram as obras embargadas das construtoras MRV e Goldfarb, na região do Parque Jambeiro, fizeram um protesto na tarde de ontem em frente aos condomínios para lembrar o atraso nas obras.

Com o nome de “Samba dos que dançaram”, a manifestação marcou a não entrega dos primeiros apartamentos, que deveria ocorrer neste mês. Os manifestantes também pediram o apoio do nova diretora do Procon de Campinas, Viviane de Moura Belmont.

O evento teve música e venda de churrasco. Com nariz de palhaço e cartazes, eles protestaram contra os atrasos. A organização levou um caminhão baú para simular a mudança e na rua foi montada uma sala com cadeiras, tapetes e televisão.

Um dos organizados do evento, Cristiano Bazarga Ferreira, disse que o evento foi para mais uma vez lembrar a situação das famílias que não podem tomar posse de suas casas. “Estamos denunciando o método de venda das construtoras e o que elas praticam. Estamos cobrando todos os envolvidos”, disse Ferreira.

ACORDO

Para ele, o acordo de R$ 53 milhões em melhorias para a região anunciado pela Prefeitura de Campinas e as construtoras para que as obras sejam desembargadas é positivo, mas ele lembrou que a medida resolve somente metade dos problemas.

“Pedimos que o Ministério Público acate o acordo se ele for correto, mas ainda temos o problema do INCC (Índice Nacional do Custo da Construção). Queremos pagar o que foi colocado no contrato”, disse. Ferreira também disse esperar que o custo das obras não seja repassado nas prestações.

Compradores de outras unidades embargadas pela cidade estiveram presentes, como é o caso dos clientes da Consima que estão com as obras embargadas desde 2002 por causa da contaminação na área dos condomínios, no Mansões Santo Antônio.

As construtoras informaram que esperam os desembargos para retormar, imediatamente, as obras.