JUSTIÇA CONSIDERA DEVIDA A REMUNERAÇÃO DA CORRETAGEM DE IMÓVEIS NA PLANTA

Essa decisão passa a servir de referência a juizados especiais cíveis em todo o Estado de São Paulo
Recente decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou que o pagamento da comissão imobiliária efetuado diretamente ao corretor de imóveis e à imobiliária pelos compradores de imóveis na planta não configura abuso ou venda casada. O entendimento pacificou controvérsia em juizados especiais cíveis, que, em alguns processos, mandavam devolver a comissão, às vezes de forma dobrada.
A fonte do equívoco estava no fato de o comprador se dirigir ao estande e, lá, já encontrar corretores, o que, supostamente, descaracterizaria o trabalho de corretagem imobiliária. “Muitos compradores de imóveis alegavam que o corretor era contratado pela incorporadora. Logo, caberia a ela remunerá-lo. O que não se leva em conta nesse raciocínio é que os compradores também se beneficiam do resultado do esforço de corretores de imóveis que é o próprio fechamento da compra e venda, e que, pelo Código Civil, o pagamento da corretagem pode ser livremente ajustado.”, explica Claudia Brito Marzagão, coordenadora jurídica da vice-presidência de Comercialização e Marketing do Secovi-SP (Sindicato da Habitação).

O que passava despercebido é que pode haver dois tipos de estrutura de formatação do preço final do valor do imóvel. A corretagem pode estar embutida como custo no preço da unidade, assim como o custo do projeto e materiais de construção, de modo que o comprador não consegue identificar o quanto está remunerando a título de corretagem. Ou, o mais comum, a comissão estar visível ao comprador como componente do valor total da transação, caso em que o comprador do bem remunera, direta e separadamente, os valores destinados à incorporadora e o valor da corretagem destinado aos corretores e imobiliárias.
“Isso significa que, na compra e venda de imóveis ao público consumidor, que passa pelo trabalho de intermediação de corretores e imobiliárias, o comprador sempre pagará a corretagem, pois o valor dos honorários da intermediação é computado na negociação do imóvel”, esclarece Claudia Marzagão. “Em tese, para o promitente comprador, pagar direta ou indiretamente a comissão de corretagem é indiferente em termos econômicos, já que, de um modo ou de outro, tal percentual [destinado para remunerar o trabalho de intermediação da venda] integrará o preço final da unidade”, destacou a decisão do Tribunal.
Para Claudio Bernardes, presidente do Secovi-SP, o acórdão traz esclarecimentos importantes para a relação entre compradores, imobiliárias, corretores e incorporadoras. “Esta decisão permite que a partir de agora o mercado possa operar com segurança no que diz respeito ao pagamento da corretagem. O Tribunal consolidou o modelo que já vinha sendo utilizado dentro das posturas legais, deixando bem claro que não há sobrepreço no pagamento direto da comissão pelo comprador”, finaliza.
Deixe seu comentário! Justiça considera devida a remuneração da corretagem de imóveis na planta