MERCADO IMOBILIÁRIO DEVE CONTINUAR CRESCENDO, DIZ DIRETOR


Mercado imobiliário no interior de São Paulo passa por valorização e com isso é possível observar cotações dignas das capitais. Diante deste cenário, investidores se sentem mais atraídos pela região seja para morar ou apenas investir. Para Rodolfo Scamilla, diretor-presidente da Total Construtora S/A, a região metropolitana de São Paulo sofre cada vez mais com o custo de vida muito elevado, problemas de mobilidade e a queda na qualidade de vida. "Muitas empresas vêm se deslocando para outras regiões do estado, gerando novas oportunidades de emprego para a população local", disse.
De acordo com o indicador elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o site Zap Imóveis, o preço médio do metro quadrado dos imóveis no Brasil atualmente é de R$ 6.529 e hoje podemos encontrar salas comerciais de alto padrão com preço equivalente à média nacional num raio de 50km de São Paulo. "O interior paulista é o maior mercado consumidor do Brasil, responsável por mais de 15% do PIB do país e com renda per capita maior que a média nacional", afirmou Scamilla.
Segundo o diretor, o estado de São Paulo conta com diversos grandes centros urbanos além da capital, como Campinas, Sorocaba, São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, São José dos Campos, entre outros. São regiões que dispõem de excelente infraestrutura e oferecem espaço para crescimento, cada vez mais raro na capital. "Apresentam ainda, em comparação à capital, menores custos de produção para as empresas e maior qualidade de vida para seus habitantes", declarou.
Além das empresas, muitas pessoas procuram imóveis fora da capital para residir, buscando uma qualidade de vida que não encontram na cidade paulista. "Da mesma forma, muitos profissionais que residiam em São Paulo vêm fazendo o movimento de residir fora da capital e se deslocar até a cidade apenas para trabalhar e retornar. Também acontecem situações onde, com a mudança familiar, um dos cônjuges deixa o emprego na capital e abre um negócio próprio em sua nova cidade. Tudo isso aquece a economia e o mercado do interior e por consequência gera demanda por novos imóveis, tanto industriais como residenciais, desde aqueles de interesse social (como os do programa "Minha Casa, Minha Vida") até os de alto padrão", disse o diretor.
Scamilla finaliza dizendo que a projeção para os próximos anos é de que o mercado imobiliário continue em constante crescimento e valorização, com a chegada de cada vez mais investidores e mão de obra especializada.