VALORIZAÇÃO DO IMÓVEL PODE ESTAR VINCULADA A VAGA DE GARAGEM

Os problemas no transporte público e nas questões de mobilidade urbana fizeram, junto com outros fatores, os financiamentos automobilísticos crescerem, assim como o número de veículos nas cidades grandes. Essa situação fez as vagas nas garagens se tornaram um item muito importante na compra e venda de imóveis. Realizada pelo Secovi do Rio de Janeiro, uma pesquisa mostrou que um imóvel imóvel pode ter 20% do seu preço desvalorizado se não possui um estacionamento (quando comparado à uma propriedade com as mesmas proporções que tem espaço para automóveis).
Vaga na garagem pode valorizar imóvel em até 20%
Oito bairros da Zona Sul e Norte do Rio de Janeiro foram analisados no levantamento. No Leblon, por exemplo, as vagas influenciam no alto índice de valorização. Um imóvel com a mesma metragem vale 22,8% mais em relação a um apartamento igual, porém sem garagem.
Entretanto, ainda no Rio, a situação decorre não somente de questões atuais. As construções mais antigas de certos bairros foram levantadas há muitos anos, quase todos sem garagem. Além disso, as regiões próximas às praias sofrem com a interferência da areia e água em possíveis instalações subterrâneas.

Em contrapartida, na cidade de São Paulo, a quantidade de imóveis que possuem garagem subterrânea é alta. Existiu uma lei, por muitos anos, que garantia a construção de um estacionamento para os condôminos: deveria existir um espaço mínimo para veículos, pelo menos uma vaga por imóvel.
Na capital paulista, contudo, com o Novo Plano Diretor que estrou em vigor em julho de 2014, a configuração das garagens mudou. As regras agora determinam um número máximo (e não mais mínimo) de vagas e uma quantidade limitada nos empreendimentos próximos aos grandes centros de transporte público.

Situações como as citadas fazem com que um imóvel com estacionamento seja valorizado tanto na compra (da incorporadora para o cliente) quanto na venda (de um cliente para outro).

Vale lembrar que o valor de uma vaga é baseado no custo de produção e que a garagem faz parte da área comum de um prédio. Ou seja, quanto maior a procura, maior o preço e, assim sendo, a valorização.